NOTA: A quem consulte e aprecie este blogue e possa contribuir com comentários, críticas ou correcções têm a minha consideração.
Aqueles que por seu entendimento, possam ser proprietários de alguns elementos fotográficos, e pretendam a retirada dessa foto, agradeço que me seja comunicada para evitar constrangimentos pessoais.

Obrigado.

23 de julho de 2017

Casa da Carreira (11) - Viana do Castelo

Foto retirada do blogue: olharvianadocastelo.blogspot.pt

A Pedra de Armas:

Casa dos Condes de Carreira, construída no séc. XVI junto a uma das antigas saídas da vila chamada "a carreira", para norte, na direcção de Compostela.
Foi obra do burguês nobilitado Fernão Brandão, feita em 1527, tendo passado depois por casamento, para uma linha de Abreus e depois, novamente por casamento, nela se encontrou um ramo limiano de Távoras.
São estes os apelidos constantes dos brasões da casa, dos Távoras, na fachada principal, picado no tempo de D. José; Távora e Abreu nos escudetes das portas que dão para "a Carreira" e Távora, Abreu, Pereira e Castro, na Capela.
Picada por conter o apelido dos Távoras.
Sentença proferida ao Marquês de Távora, e Vice-Rei da Índia, D. José da Silva Mascarenhas e Castro, e a outros nobres, acusados de crime de lesa majestade por conjura para matar o Rei.
A sentença, de 12 de janeiro de 1759, no que interessam diz o seguinte:

"Mandam que nenhuma pessoa de qualquer estado ou condição que seja, possa da publicação desta em diante, usar do apelido de Távora (...) e de se derribarem e picarem todas as armas, e escudos, daqueles que as houverem tido até agora."


Casa ou Palácio da Carreira:
(por Maria Augusta d'Alpuim)
"Esta grande e nobre casa tem uma longa história, desde que Fernão Brandão a começou a construir em 1527, ao cimo da rua de Sant’Ana, no estilo magnífico da época manuelina.
Nascido no Porto, veio Fernão Brandão viver para Viana em 1519, recebendo por essa altura a comenda de S. João de Cabanas, na freguesia de Santa Cristina de Afife, pelos serviços que prestou em Çafim e Azamor.
Pouco depois casou com a rica herdeira D. Catarina Fagundes, irmã de Rui Fagundes, arcipreste da nossa Colegiada.
Em 1507, quando no Campo do Forno, depois Praça da Rainha e hoje Praça da  República, se punham as fundações dos Paços do Concelho, a vila de Viana começava a ter grande desenvolvimento. A população já não cabia dentro das muralhas e tornou-se  necessário abrir novas ruas.
Foi então adquirida pela Câmara Municipal a orla setentrional do Campo da Oliveira, que chegava até à Azinhaga do Sol Levado, (depois rua das Correias e hoje rua Major Xavier da Costa), para o novo convento de Sant’Ana. Os restantes chãos, chamados dos Fagundes, pertenciam ao Arcipreste Rui Anes e o seu pomar foi dividido em 1531, pela abertura da rua Nova de Sant’Ana.
O Comendador Fernão Brandão e a mulher, instituíram o vínculo em 18 de Junho de 1546, com a capela de S. Bernardo, na Matriz de Viana, para seu jazigo. Foi terminada em 1547 e nela se pode ainda ver no arco o brasão pleno de Brandões e a seguinte inscrição:

ESTA CA. MANDOU FASER FERNÁ BR ÃDÃ E SUA MOLHER   C. FAGUNDES

D. Catarina enviuvando, recolheu-se ao convento de Sant’Ana, hoje hospício da Caridade, no ano de 1560, onde sob o nome de Catarina de Assumpção, faleceu em  1584.
A vasta e linda casa construída por seus pais, ficou para a filha, D. Inês Brandão, que casara em 1542 com Rui Gomes de Abreu.
Deste casal nasceu Diogo Gomes de Abreu, que casou com D. Catarina Palheiro e instituíram em 1611 a capela vincular de S. Braz de Lapela, em Monção. Foram pais de   João Gomes de Abreu e Lima que casando com D. Ângela Aranha Burgueira, tiveram  um segundo Diogo Gomes de Abreu, que foi Juiz de Fora em Ponte de Lima em 1643 e  casou na casa de Calheiros, com D. Ana Lopes de Castro. Sua filha D. Arcangela  e Lima de Abreu, tornou-se esposa do seu vizinho e parente Luís Alvares de Távora em 1692.
São todos esses apelidos que se vêm simbolizados no escudo e nos escudetes dos portais e capela da casa: Távora, Abreu, Pereira e Castro.
Há ainda para o lado do quintal um brasão gravado numa pedra oblonga e embutido na parede dum grande quarto, por nele ter estado hospedado, no ano de 1755, o Arcebispo de Braga, D. José de Bragança, irmão do rei D.  João  V.
D. Arcangela e seu marido Luis de Távora foram pais de onze filhos. Um deles, Manuel Bravo de Távora, foi o instituidor da capela de S. Gonçalo, na igreja de S. Domingos,  onde estão sepultados estes primeiros Távoras. Depois de 1759, por causa do julgamento dos Marqueses de Távora, caluniosamente acusados de terem querido assassinar o rei D. José, e da perseguição movida à família, estes senhores deixaram de  assinar o nome de Távora, que só muito mais tarde retomariam.
A Diogo Gomes de Távora e Abreu, filho de D. Arcangela e Luis Távora, seguiu-se na casa, seu filho João Gomes de Abreu e Lima, que casou com uma senhora espanhola, de Pontevedra, D. Maria Josefa de Queirós Gayoso Montenegro.
Foram os pais do mais ilustre e conhecido de todos os membros desta família. Luis António de Abreu e Lima, 1.° Visconde da Carreira e l.° Conde do mesmo título. Nascido nesta casa a 18 de Outubro de 1785, casou em Paris com D. Ana Luísa Dannemarch, de origem alemã, não tendo filhos.
Seguiu a carreira militar, chegando a Marechal de Campo, mas foi na diplomacia que se tornou notável. Serviu como enviado extraordinário e Ministro Plenipotenciário, nas Cortes dos Países Baixos, Grã Bretanha, França, Rússia e Roma junto do Papa. Foi Conselheiro de Estado, Aio dos príncipes D. Pedro e D. Luis.
Ministro dos Negócios Estrangeiros por duas vezes, foi a Turim, pedir solenemente a mão da princesa de Itália, D. Maria Pia de Sabóia, para o rei D. Luis de Bragança.
Morreu em Lisboa e 18 de Fevereiro de 1871, na sua casa na rua do Pau da Bandeira, à Estrela."
Seu irmão, Diogo Gomes de Abreu e Lima, foi o 2º Visconde da Carreira por sucessão.
  
 Foto retirada da obra de Maria Augusta d'Alpuim - Fachada Principal

A Casa:

A fachada da casa da Carreira localiza-se na Rua Cândido dos Reis e manteve as características do séc. XVI, isto apesar de ter sofrido modificações posteriores.
A sua forma construtiva apoia-se numa simetria estrutural e num decorativismo excessivo, próprio da linguagem plasticada da arte manuelina.
Assim, a sua longa fachada é rigorosamente dividida em dez tramos nos seus dois pisos. O piso térreo apresenta dois portais principais, obra de aparato constituído por colunas torsas e vergas mistilineas, ladeadas superiormente por cógulos naturalistas.
Ao centro rasgam-se outros dois portais, estes mais contidos nas soluções formais apresentadas. Entre estas portas abrem-se janelas simples de vão rectangular e protegidas por gradeamento.
O piso superior é ritmado por janelas geminadas e maineladas, com rendilhado alfiz, alternado com varandas de idêntico recorte decorativo e estrutura arquitectónica.
A fachada da casa virada a norte foi edificada entre os anos de 1691 e 1705, possuindo um ritmo e um ordenamento rigorosamente simétrico, apenas alterado pela superfície correspondente à capela.
Dividida em dois pisos, esta fachada ganha importância nas linhas clássica do andar superior, onde varandas de vão rectangular, encimadas por moldurado frontão triangular, alternam com janelas de idêntica configuração.
Foto retirada do blogue: olharvianadocastelo.blogspot.pt

Vista da fachada lateral e capela
No extremo da fachada norte está marcado o nobre perfil da capela, proporcionada e harmoniosa nas suas linhas de um Barroco depurado. Ladeado por pilastras almofadadas abre-se o portal interrompido por brasão de armas. O andar superior apresenta grande janelão interrompido por saliente cornija, ladeado por aletas e rematado por frontão triangular.
No seu interior está colocado um sumptuoso retábulo de talha dourada, obra barroca filiada no Estilo Nacional, da transição do séc. XVII para o séc. XVIII, provavelmente saída do risco do mestre Vila Lobos.
Em 1970, o palacete era vendido pela família Távora à Câmara Municipal de Viana do Castelo, que executou diversas obras de adaptação no seu interior. Os Paços do Concelho instalaram-se no edifício em 1972.
 1º Visconde e 1º Conde da Carreira, Luís António de Abreu e Lima


O Visconde e Conde da Carreira
Luís António de Abreu e Lima (n - 18/10/1785) e (f - 18/2/1871):

Formado em Direito, foi diplomata e poeta. Recebeu as mais altas condecorações honoríficas em Portugal e no estrangeiro.
Recusa jurar a Constituição de 1822 tendo participado como militar nos eventos que se seguiram à Revolução Liberal do Porto sendo nomeado pelo governo vintista secretário da embaixada de Portugal em Paris e posteriormente ministro em Berlim e na Holanda. Em 1828, com a aclamação de D. Miguel foi demitido do cargo, permanecendo em França como exilado politico.
Membro activo do grupo de amigos de D. Pedro IV.
O rei D. Pedro IV, de Portugal, nomeou-o substituto interino do Marquês de Palmela, no Conselho de Regência instalado em Londres e em 1830 foi nomeado pela Regência da Terceira como ministro plenipotenciário da rainha D. Maria II, em Londres, cargo que exerceu em condições particularmente difíceis e com grande sucesso até fevereiro de 1834.
Tornou-se Visconde da Carreira através de título criado por decreto de 1 de dezembro de 1834, e confirmado por carta de 10 de fevereiro de 1835, pela rainha D. Maria II, de Portugal.
Nomeado plenipotenciário de D. Pedro, em abril de 1833, juntamente com o Marquês do Funchal, cabendo-lhes a negociação do Tratado da Quadrupla Aliança, de 22 de abril de 1840.
Em maio dessa ano foi nomeado ministro de Portugal, em Paris, cargo que exerceu até 1840.
Posteriormente, foi nomeado ministro dos negócios estrangeiros, em 6 de outubro de 1846, no governo de Saldanha, mas não aceita exercer essas funções.
Autor de "memórias cientificas sobre a colheita da azeitona (1842)" e a "necessidade da reforma do sistema de pesos e medidas (1858)", exercendo as funções de vice-presidente da Sociedade Promotora da Industria Nacional.
Seria elevado a 1º Conde da Carreira através de título criado por decreto de 1862, pelo rei D. Luís I, de Portugal.



Viana do Castelo - Origens:

"A ocupação humana da região de Viana remonta ao Mesolítico, conforme o testemunham inúmeros achados arqueológicos (anteriores à cidadela pré-romana) no Monte de Santa Luzia.
A povoação de Viana recebera a Carta de Foral, de Afonso III de Portugal em 18 de Julho de 1258, tendo passado a chamar-se Viana, da Foz do Lima.
Até à sua elevação a cidade em 20 de Janeiro de 1848, a actual Viana do Castelo chamava-se simplesmente "Viana" (também referida como Viana da Foz do Lima" e "Viana do Minho", para diferenciá-la de Viana do Alentejo.
Na cidade - que cresceu ao longo do rio Lima - podem ser observados os estilos renascentistas, manuelino, barroco e Art Deco. Na malha urbana destaca-se o centro histórico, que forma um circulo delimitado pelos vestígios das antigas muralhas. Aqui cruzam-se becos e artérias maiores viradas para o rio Lima, e destacam-se a antiga Igreja Matriz, que remonta ao séc. XV, a Capela da Misericórdia (séc. XVI), a Capela das Almas, e o edifício da antiga Câmara Municipal, na Praça da Monarquia (antiga Praça da Rainha), com uma fonte em granito do séc. XVI."
Para além deste Património arquitectónico no pequeno núcleo citadino vislumbram-se casas típicas dessas épocas e com as características e ornamentos aos estilos atrás mencionados.
Dessas casas aparecem pedras de armas afixadas nas fachadas, sendo distribuídas por casas tradicionais, por casas nobres e apalaçadas, cujas personagens justificaram a mercê dada pelo seu rei, quer por actos em prol do País, quer em prol da benemerência e interesses locais ou por razões politicas.
No pequeno núcleo histórico circunscrito entre a linha férrea e o rio Lima e por pequenos passeios pedonais realizados pessoalmente pelo seu interior se destacaram e se recolheram um bom punhado de Brasões, de Heráldica de Família, que se pretende abordar e mostrar neste blogue.
Dos 23 brasões referenciados no mapa, alguns não foram encontrados neste pequeno passeio efectuado em dia e meio, de uma pequena estada naquela linda cidade.  A recolha mereceu também em buscas de sites locais que me ajudaram a enriquecer este projecto de inventariação de brasões de família no núcleo antigo desta cidade.
Provavelmente haverá ainda outros por descobrir nessas pequenas vielas e ruas, e encobertas em muitas casas que apresentam características muito especiais, à sua época a que cada uma delas terá sido edificada. Vislumbramos, portas e janelas lindamente executadas em granito, do barroco ao manuelino, muitas casas ainda sustentam nos seus beirais gárgulas de todos os feitios e igualmente outras pedras de armas, nacionais e da cidade.
À medida que se apresenta cada peça de armas, e sempre que possível, será abordada a descrição da pedra de armas e de uma pequena história, da casa ou da família, efectuada pela recolha na internet e especialmente no blogue "olharvianadocastelo.blogspot" e da obra "Casas de Viana Antiga" que merecem uma especial atenção e um elogio de relevo por se dedicarem exclusivamente ao concelho e à cidade.

Esquema geral da localização das Pedras de Armas de Família - Viana do Castelo

Listagem:
1 - Casa dos Monfalim (séc. XVII/XVIII) - Gaveto do Passeio das Mordomas da Romaria com a Rua Nova de Santana
2 - Casa da Barrosa (séc. XVIII) - Rua Manuel Espregueira, n.º 87
3 - Casa dos Abreu Coutinho (séc. XVIII (?)) - Largo Vasco da Gama
4 - Casa dos Melo e Alvim (séc. XVI) - Av. Conde da Carreira
5 - Capela da Casa da Carreira (séc. XVIII) - Rua dos Bombeiros
6 - Casa dos Werneck (séc. XIX) - Av. Conde da Carreira, n.º 6
7 - Casa dos Pimenta da Gama ou Casa da Piedade (séc. XVIII) - Rua Mateus Barbosa, n.º 44
8 - Casa do Campo da Feira (séc. XVIII) - Largo 5 de Outubro, n.º 64
9 - Casa dos Sousa Meneses - Rua Manuel Espregueira, n.º 212
10 - Casa da Vedoria (séc. XVII) - Rua Manuel Espregueira, n.º 152
11 - Casa da Carreira (séc. XVI) - Passeio das Mordomas da Romaria
12 - Casa Costa Barros (séc. XVI) - Rua S. Pedro, n.º 28
13 - Casa dos Aranha Barbosa - Rua da Bandeira, n.º 174
14 - Casa Barbosa Maciel (séc. XVIII) - Largo S. Domingos
15 - Casa dos Malheiro Reymão (séc. XVIII) - Rua Gago Coutinho e Praça das Couves
16 - Palácio dos Cunhas (séc. XVIII) - Rua da Bandeira
17 - Casa do Pátio da Morte - Rua da Bandeira, n.º 203
18 - Casa dos Pita (séc. XVII) - Rua Prior do Crato, n.º 56
19 - Hospital Velho (séc. XV) - Rua do Hospital Velho
20 - Casa dos Torrados - Av. Luis de Camões, n.º 19
21 - Casa dos Sá Sottomaior - Praça da Republica, n.º 42
22 - Casa dos Agorretas - Gaveto da Rua dos Rubins com Rua Manuel Espregueira
23 - (família desconhecida) - Travessa da Victória
24 - Casa de João Velho ou Casa dos Arcos - Largo do Instituto Histórico do Minho
25 - Casa dos Medalhões, gaveto da Rua do Poço com Largo da Matriz
26 - Casa do Alpuím, Passeio das Mordomas da Romaria
27 - Casa dos Pereira Cirne - Rua da Bandeira, n.º 219 
fontes retiradas de:
- https://pt.infopedia.org
- olharvianadocastelo.blogspot.com
- Casa da Carreira, por Maria Augusta d'Alpuim e Maria Emília de Vasconcelos, em "Casas de Viana Antiga", 1983

Sem comentários:

Enviar um comentário